Posso pedir benefício ao INSS estando desempregado?

posso-pedir-beneficio-ao-inss-estando-desempregado?

Para ser um segurado do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), é necessário contribuir com a Previdência Social.

Ao manter os pagamentos em dia, o trabalhador têm acesso a vários benefícios, basta cumprir os requisitos necessários para solicitá-los.

Mas o que poucas pessoas sabem é que esses benefícios também estão disponíveis para as pessoas que estão em situação de desemprego. Mas existem algumas regras para isso.

Se este é o seu caso, continue conosco, pois, vamos te explicar como você pode pedir benefícios ao INSS mesmo não estando com vínculo empregatício ativo. Boa leitura! 

Estou desempregado, e agora? 

Em tempos de pandemia, o desemprego vem aumentando consideravelmente no país, mas para que você não fique desamparado, é importante saber que você ainda têm direitos.

Assim, pode ter acesso à ajuda financeira por meio de auxílios, pensões ou mesmo a tão sonhada aposentadoria.

Por isso, quando os trabalhadores que contribuíram com a Previdência Social e possuíam qualidade de segurado estão em situação de desemprego, passam a fazer parte de uma modalidade chamada de “período de graça”. 

Como funciona?

Através desta modalidade, o segurado pode manter o seu vínculo com o sistema previdenciário, mesmo que não esteja contribuindo ou atuando em atividade remunerada.

Desta forma, o trabalhador que está desempregado continua sendo um segurado do INSS e pode aproveitar todos os benefícios que são oferecidos pela Previdência Social. 

No entanto, chamamos sua atenção ao prazo estipulado para que os segurados tenham acesso à modalidade. Isso vai depender principalmente do tempo que o trabalhador tem de contribuição. Veja como fica: 

  • Segurados obrigatórios que tenham até 120 contribuições: o período de graça é de 12 meses;
  • Segurados obrigatórios que tenham feito mais de 120 contribuições (mesmo que interrompidas, mas sem perder a qualidade de segurado): o período de graça é de 24 meses;

Também existe a possibilidade de além do período descrito acima, para o segurado obrigatório, haver a prorrogação por mais 12 meses para o segurado desempregado.

Neste caso, deve ser feita a comprovação dessa situação pelo registro no órgão próprio do Ministério do Trabalho e da Previdência Social. Essa possibilidade está prevista no art. 15, da Lei n. 8.213/1991.

Por sua vez, o segurado facultativo possui 6 meses de período de graça. Além disso, mantém a qualidade de segurado por até 3 meses: após o licenciamento, o segurado incorporado às Forças Armadas para prestar serviço militar. 

Benefícios

O período de graça se tornou muito importante durante a pandemia, visto que muitos trabalhadores perderam sua renda e, por isso, não possuem condições de manter as contribuições. Então, veja os principais benefícios que pode ser solicitados:

  • auxílio-doença: desde que tenha cumprido pelo menos 12 contribuições mensais (esta carência pode ser afastada pela perícia médica no caso de doenças graves); comprove a incapacidade para o trabalho através de perícia médica e possui a qualidade de segurado/período de graça;
  • auxílio-acidente: deve estar no período de graça e passar por perícia médica no INSS, para comprovação da sequela;
  • aposentadoria: deve comprovar a idade mínima necessária, e o tempo de contribuição necessário à Previdência Social;
  • aposentadoria por invalidez: deve agendar uma perícia médica para comprovar a incapacidade;
  • salário-maternidade: o período de graça será de até 12 meses, após o desligamento do emprego, podendo ser prorrogado para 24 meses se essa trabalhadora tiver mais de 120 contribuições sem interrupção; 

Carência

Agora que sabemos como ter acesso à benefícios do INSS mesmo estando desempregado, é necessário saber que o trabalhador também pode recuperar a qualidade de segurado.

Isso é feito por meio da retomada das contribuições à Previdência Social, além do cumprimento do tempo de carência, que se refere ao número mínimo de contribuições que são necessárias para que o trabalhador possa voltar a ter direito aos benefícios do INSS.

Mas esse período também irá variar conforme o benefício, ficando da seguinte forma:

  • 10 meses de carência para o salário-maternidade, 
  • 12 meses de carência para o auxílio-doença e aposentadoria por invalidez,
  • 24 meses de carência para o auxílio-reclusão.

Para te ajudar a saber se você está no período de graça, conte com a ajuda de um advogado especializado em direito previdenciário. Com isso, você pode obter orientações sobre como fazer o pedido de benefício ao INSS.

Dica Extra do Jornal Contábil: Compreenda e realize os procedimentos do INSS para usufruir dos benefícios da previdência social. 

Já pensou você saber tudo sobre o INSS desde os afastamentos até a solicitação da aposentadoria, e o melhor, tudo isso em apenas um final de semana? Uma alternativa rápida e eficaz é o curso INSS na prática

Trata-se de um curso rápido, porém completo e detalhado com tudo que você precisa saber para dominar as regras do INSS, procedimentos e normas de como levantar informações e solicitar benefícios para você ou qualquer pessoa que precise. Não perca tempo, clique aqui e domine tudo sobre o INSS.

Por Samara Arruda

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *