sexta-feira , dezembro 15 2017
Home / Dilma / Cidades de Silêncio, por Fernando Horta

Cidades de Silêncio, por Fernando Horta

Categoria: 

Análise

Cidades de Silêncio

por Fernando Horta

Há um certo sentido de movimento em Gramsci que não se encontra em Trotsky, Lênin ou mesmo em Marx. A distinção que Gramsci faz entre o “partido” ou “grupo” da ação e o grupo dos “moderados” leva necessariamente à noção de que só se conserva o poder de forma dinâmica. As categorias de Gramsci não estão necessariamente colocadas de forma ideológica. O “partido da ação”, aquele que impele a sociedade para a mudança, não obrigatoriamente é o que chamamos de “esquerda” e, da mesma forma, os “moderados”, o grupo que defende a manutenção das coisas “como estão” ou advoga um passo menos célere às mudanças, não é sempre de direita. A explicação gramsciana para o fascismo bebe desta ideia. Na impossibilidade de quem lidera efetivamente impulsionar as mudanças, o fascismo se apresentou como capaz de fazê-las. Claro que as mudanças fascistas eram em sentido oposto aos valores hoje tidos como corretos, mas ainda assim, o fascismo carrega o sentido do movimento, essencial para qualquer ideia de governo.

leia mais

About Fernando Horta