quarta-feira , janeiro 17 2018
Home / Noticias / Novo golpe das operadoras de celular tem como alvo as vítimas de assalto

Novo golpe das operadoras de celular tem como alvo as vítimas de assalto

No capitalismo tudo vira oportunidade de lucrar, e quem melhor sabe disso no Brasil são as operadoras de telefonia móvel (celulares).

No capitalismo tudo vira oportunidade de lucrar, e quem melhor sabe disso no Brasil são as operadoras de telefonia móvel (celulares). A mais nova forma de ganhar dinheiro tem como alvo aqueles clientes de telefones pré-pago que foram vítimas de roubo ou que perderam o aparelho e precisam resgatar seu número.

Ao chegar em uma loja credenciada para tentar fazer a operação de resgate do número antigo, o cliente é informado de que é impossível fazer o resgate naquela loja. A explicação para isso pode variar, a loja pode não ter um chip "virgem" para realizar o resgate, ou então o atendente não tem acesso ao desbloqueio do aparelho através de seu computador.

Também leia: Pezão entregou milhões para a Oi e a Claro na véspera de votar seu pacote

Em seguida fica claro a origem da dificuldade: um plano pós-pago é ofertado, como maneira de "acelerar" o acesso ao número antigo. O cliente pode escolher entre procurar outra loja e tentar o resgate, ou ingressar em um que varia do "plano controle" no valor de R$ 54,90, até mais caros de R$ 89,90; e de repente um atendimento em busca de um serviço se transforma rapidamente em uma oferta de venda.

Leia mais: TIM soma lucro de R$ 570 milhões em 2017 com exploração de trabalhadores e serviço precário

A responsabilidade, claramente, é da empresa que passa estas orientações, e exige uma cota de vendas mensal, especialmente maior no Natal, oferecendo bônus aos atendentes que mais conseguirem vender produtos. A lógica, claro, não é prestar o serviço e sim maximizar os lucros. Os trabalhadores, por sua vez, são pressionados pela competição por um lado, e por outro estão sempre sob a ameaça de demissões e recontratações precárias através da reforma trabalhista. Tem escolhas opções nada simples: enganar o cliente ou se organizar para lutar contra o patrão.

Leia também: TIM demite 1.200 funcionários em call center no Grande Recife

O ladrão profissional não é quem pratica o roubo de um celular porque não aceitou trabalhar em um emprego precarizado e ganha um dinheiro honesto (porém, curto), ou mesmo ter uma vida de pobreza fruto do desemprego. São estas empresas que ganharam de presente todas as telefônicas que foram privatizadas, e para ter acesso ao serviço é preciso se curvar à todo tipo de extorsão e golpe das redes de Telefonia exercidas contra os clientes, os trabalhadores, enquanto o próprio estado isenta estas empresas de pagar impostos. A única solução é a re-estatização de todas telefônicas sob controle dos trabalhadores.

Também leia: Governo Temer doa 100 bihões às empresas tele enquanto aprova ataques

"Somos obrigados a maltratar o cliente", denunciam trabalhadores da NET

About Jean Barroso