quarta-feira , dezembro 13 2017
Home / Noticias / Pastor racista manda retirar referências a cultura afro de escola

Pastor racista manda retirar referências a cultura afro de escola

Pastor assumidamente intolerante afirmou: "Pra quê essa boneca? Tanta coisa para ensinar. Por que ensinar isso?”. Para ele, um trabalho escolar com símbolos da cultura negra é "objeto de adoração e macumba."

O pastor João Brito, da igreja Evangélica Batista de Vitória (ES), pediu que um painel feito por crianças que contém bonecas negras fosse retirado de uma creche de Jardim da Penha, na capital de Espírito Santo. Segundo o pastor racista, a boneca é “símbolo de macumba por se originar de uma religião africana”.

Na verdade, a arte feita no Centro Municipal de Ensino Infantal (Cmei) Professora Cida Barreto, são bonecas Abayomi, de origem africana. O painel foi confeccionado por uma professora que dá aulas sobre cultura do povo africano e também sobre a cultura afro-brasileira. O projeto chama-se Abayomi e faz parte do programa institucional da escola “Diversidade”, que trata da questão étnica-racial. Abayomi era uma boneca criada por mães africanas que rasgavam retalhos de suas saias e confeccionavam através de tranças ou nós. As bonecas são símbolo de resistência e serviam para tranquilizar os filhos durante as viagens em navios de pequeno porte que realizavam o transporte de escravos entre África e Brasil. A escola funciona em um prédio pertencente à igreja, mas é alugado pela Prefeitura Municipal de Vitória. Onde são expostos os trabalhos dos alunos é de uso compartilhado entre o Cmei e a igreja evangélica.

O pastor alega que a arte era um quadro com entidade de macumba, e não aceita que uma arte de outra religião (principalmente africana) fosse colocada no espaço pertencente a igreja.

“Eu mandei retirar a boneca. Ela era feita em navios negreiros e passou a ser objeto de adoração e macumba. Aquilo era um quadro com entidade de macumba. Se colocar qualquer símbolo religioso que confronte a Bíblia eu tiro, eu tirarei e, se repetir, eu tiro de novo”, enfatiza o pastor. E continua: “Quando foi feito o convênio com a prefeitura, ficou acordado que não iríamos intervir em nada. A escola é laica. Em contrapartida, a escola também não deveria fazer nada que contrariasse os princípios evangélicos. Pra quê essa boneca? Tanta coisa para ensinar. Por que ensinar isso?”

A forma como o pastor justifica é uma forma preconceituosa e racista com o povo negros e as religiões de matriz-africana, onde o mesmo afirma para o G1 quando é questionado se isso é intolerância religiosa: “Com certeza. Eu não posso tolerar que dentro da igreja se implante símbolo de outra religião”. E ao ser questionado se a escola não era livre, ele responde: “Nós não dependemos do colégio aqui, nós abrimos a pedido da comunidade e da secretaria e temos prazer de servir. Não vamos no dobrar diante de uma professora que por onde passa tem criado problema”.

O pastor afirmou que é a primeira vez que um caso como esse acontece. Mas segundo uma pessoa que não quis se identificar, informou que essa é a segunda vez que um projeto de origem africana foi retirado. O primeiro ocorreu já em Maio. O fato mostra que o pastor tem total intolerância a religiões de matriz-afriacana, e de forma equivocada confundi uma boneca de cor negra com um objeto de macumba, sendo que o projeto é apenas uma atividade sobre a história da cultura afro-brasileira. E como o religioso mesmo afirma ao dizer que a professora onde passa causa problema, mostra a perseguição que ele está tendo com uma professora que ensina sobre a cultura dos negros.

Este é um exemplo do ódio racista disseminado diariamente por figuras como Marco Feliciano e Jair Bolsonaro da Bancada Evangélica. Como no episódio em que Bolsonaro fez um discurso no Clube Hebraica no Rio de Janeiro, onde ele diz que os negros quilombolas “não fazem nada e nem para procriação servem mais”. Onde foi aplaudido por todos que o assistiam, mostrando como suas palavras estavam sendo aceitas, mesmo sendo claramente racistas.

About Redação*